Marcelo de Oliveira Santos nasceu em Pedro Leopoldo, no dia 4 de março de 1955. Começou sua carreira nos gramados em 1969, no Atlético, por quem foi campeão mineiro em 1976, 1978, 1979 e 1983 e vice-campeão brasileiro em 1977. Pela seleção brasileira, foi campeão do Torneio de Cannes (1974) pan-americano em 1975 e do Mundialito de Cáli, em 1978. Jogou ainda no Botafogo, Nacional de Montevidéu, Desportiva (ES) e América (MG), onde encerrou sua carreira como atleta em 1985.

Após um período como comentarista esportivo em canais de televisão de Belo Horizonte, Marcelo Oliveira iniciou sua carreira de treinador em 2002, nas categorias de base do Atlético. Em 2003, foi efetivado no cargo do time profissional pela primeira vez, mas retornou para a base, até que ganhou nova chance, em 2008.

Depois de passagens por Ipatinga e Paraná Clube, Marcelo Oliveira chegou ao Coritiba, onde conquistou dois campeonatos paranaenses (um deles de forma invicta) e dois vice-campeonatos da Copa do Brasil. No time coxa-branca, o treinador bateu o recorde de vitórias seguidas na história do futebol brasileiro – vinte e quatro –, superando marca que antes pertencia ao Palmeiras.

Marcelo Oliveira foi contratado pelo Cruzeiro em dezembro de 2012. Sua identificação com o Atlético gerou desconfiança por parte dos torcedores celestes, mas os resultados logo trataram de garantir o respeito e carinho da torcida pelo técnico. Logo no jogo de estreia, vitória por 2×1 contra o maior rival. No Campeonato Brasileiro, uma campanha espetacular – 66,67% de aproveitamento – coroou o terceiro título nacional da Raposa.

 

Em 2014, Marcelo conquistou seu primeiro título mineiro como treinador. No final do ano, mais emoções. Chegou novamente à final da Copa do Brasil, mas acabou ficando com o vice-campeonato. No Brasileirão, contudo, novo título, ainda mais espetacular que o do ano anterior. Foram 38 jogos, com 24 vitórias, 8 empates e 6 derrotas – 70,18% de aproveitamento.

Somando 2013 e 2014, Marcelo Oliveira comandou o Cruzeiro em 141 partidas. Com 71,87%, ele é o técnico com o melhor aproveitamento na história do clube, deixando para trás ídolos celestes como Vanderlei Luxemburgo, Ilton Chaves e Zezé Moreira. O bicampeonato nacional lhe rendeu dois títulos de melhor técnico no Prêmio Craque do Brasileirão, troféu criado pela CBF em 2005.

3 Responses

  1. lafaiete barbosa pr

    Um time que fez e fará a diferença a glória seja a Deus completa as intercessores do time como também servos de jesus cristo, que completa o time celeste

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.